terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Uma noite de felicidade, com um começo tímido.

Olhei para ela…o coração parou. Senti o olhar dela, uma sensação penetrante. Ganhei coragem, e fui ter com ela…o coração batia muito forte….cheguei perto e numa voz meiga disse
- Olá, posso me apresentar
Ela olha bem nos meus olhos, e diz-me
- Seria um prazer, sou Patrícia
Eu nesse momento paro no tempo, não tinha palavras e sabia; falei num tom de voz tímido:
_ Carlos, muito prazer!
Nesse instante ela se aproxima e sentindo bem perto a sua face, fechei os olhos. Reparando na minha inocência facial, sinto os lábios dela no canto dos meus. Um forte arrepio correu o meu corpo, senti-o a navegar no prazer daquele toque. Olhei para ela, vi um sorriso…sorriso malandro, mas com um disfarce tímido.
Convido para bebermos algo, qual o meu espanto….ela sem hesitar diz-me que sim. Tento falar com um sorriso e faço o sinal, para irmos ate ao bar; lá pergunto o que ela deseja, e responde-me:
- Escolhe tu, deixa-me ver até onde vai, essas fantasias.
Após aquelas palavras, mais tímido ainda fiquei…
- Deseja alguma coisa – pergunta garçon
(Reparo que é o rapaz a perguntar o que nós queríamos, e eu a tentar não desiludir o pedido dela.)
- São…são…são…
Não sei que se passava, mas as palavras estavam trancadas dentro de mim, eu a pensar o que iria pedir, e num momento digo:
- São dois copacabana
Olho para ela e sinto um “era mesmo isso que queria”. Convido-a para sentar e mais uma vez ela aceita.
Após varias horas de conversa, saímos do bar e fomos ate a praia. Não podia ser melhor.
Noite branda, lua cheia de vida, mar calmo, perfume de sedução no ar e eu com aquela mulher, ali, no meio do paraíso. Juntos… já sem os sapatos caminhávamos a beira-mar, quando a ouço:
- Posso convidar-te para ires até a minha casa?
Nesse instante a timidez daquele indivíduo sem confiança em si próprio, retraído, acanhado, que por breves momentos esteve presente em frente dela, saiu de mim; e disse-lhe com voz segura.
- Seria uma honra para mim
Nesse momento senti as mãos se tocarem e ela a puxar-me….aquela passeio calmo virou por breves momentos uma corrida desordenada no meio da praia.
Ela morava nas proximidades, mas no trajeto, a minh’alma saiu do corpo. Fantasias, ilusões, pecados... era isso que me alimentava.
De repente, sinto um forte apertar na minha mão…
- Chegamos. (suspense)
Entro na casa, olho e vejo que aquele ambiente refletia o rosto dela. Sento-me no sofá, ela põe uma música, pergunta-me se bebo algo e senta ao meu lado.
A sua voz, o cheiro do seu perfume, a bebida, e aquela música; foi um complemento para a loucura que acabei por fazer. Cheguei perto, olhei em seus olhos, e no cerrar dos mesmos…levemente sinto os lábios se tocarem. Sinto-me mais uma vez perdido num mundo de fantasias. Lentamente tento tocar a sua boca, tento sentir cada centímetro, cada um dos segmentos rubros e carnudos que protegem seus lábios. Sabor de prazer, sinto o seu sabor, saliva salgada...o prazer…. Nesse momento sinto o corpo por cima do meu…. Suas formas... Nossos lábios continuam selados, olhos fechados, sensação de estranheza corre por mim…. Estava num mundo real, mas com uma mulher susceptível de exercer-se ao imaginário. Ela começa por tirar a minha camisa. Sem resposta, deixo-me ir em seus movimentos. Um arrepio no peito, sua língua a me saborear. Abro os braços e deixo aquela mulher me seduzir… levar-me ao infinito do prazer.
Segurando as minhas mãos e levadas aos seios……sinto o enrijecer de prazer. Começa a desabotoar lentamente um a um os seus botões. Tiro-lhe a camisa e levo outra vez os meus lábios junto aos seus. Sinto as suas mãos a dedilhar o meu peito, sinto mais uma vez o sabor divinal que ela tem. Naquele momento tomo eu conta da sensibilidade que pairava na sala. Levanto-me, encosto-a na parede, e nesse momento digo pra mim mesmo……. -Era a forma de te levar ao céu-. Abraço-a firme contra a parede e tento sentir mais uma vez aqueles lábios. Sinto o fechar de olhos, mas desta vez era ela….ao fundo ouvia sua voz……bem baixinho, ouvia um tom de prazer…lentamente tiro-lhe o sutian, e nesse preciso momento sinto os os seus seios em meu peito….seguro-a pelos braços e minha língua começa a correr o seu rosto. Desço pausadamente até aos seios. Sinto os seus mamilos rijos, sinto um arrepiar de sua pele em cada movimento meu; o seu fechar de olhos aprazível. Paro!, sinto o corpo dela a empurra-me…Fito-lhe, e sem conseguir dizer algo pergunto a mim mesmo “ que se passou”. E ela responde:
- Vem comigo!!
Pega-me pela mão e leva-me até o quarto. Encosta-me na parede e começamos outra vez a nossa história. Agarra-me pelos pulsos e sinto o seu corpo roçar o meu…. Excitação total corria por mim….começa a beijar-me cada centímetro de mim, sinto um arrepiar em cada passagem sua boca nos meus mamilos e suas mãos a tirar as minhas calças. Deixo-me ir naquele embalo, naquela loucura…não de mente, mas real. Sinto sua língua a descer cada vez mais pelo meu corpo, fecho os olhos, e nesse momento sinto que aquilo tudo não era brincadeira. Abro os meus olhos e vejo….Ela a levar-me a uma alienação mental com uma modificação profunda da minha personalidade…pois naquele momento não era eu que estava aqui…mas sim, a felicidade. Começo a sentir a sua boca desta vez a subir….outra vez as mesmas sensações quando passa pelo meu peito, no pescoço, e por fim, a minha boca. Lentamente ela inverte a disposição dos nossos corpos, queria sentir aquilo que eu senti. Num trocar de posições, lá estava eu, desta vez a tomar controlo. Tento da mesma maneira, levá-la ao mundo do prazer. Lábios meus na centésima parte do seu corpo, e reconheço cada movimento seu, eu havia sentido. Desço os meus lábios como ela fez comigo, e a levo ao infinito prazer, como fui levado. Mas desta vez tento levá-la de uma outra maneira…. Levanto-a, suas pernas sustentadas em meus ombros e sinto seus dedos nos meus cabelos. Naquele momento ela era o meu momento. Lentamente descemos e como dois amantes tiramos as nossas roupas….caminhamos até a cama…caímos os dois para outro mundo.
-Carlos….então como estas?
-Estou bem…e tu?
-Também estou bem, anda vamos tomar o pequeno-almoço.
A vi levantar, peguei uma caneta mental e escrevi no meu coração….Uma noite de felicidade, com um começo tímido.

0 comentários: